Aqui, todos começam a ser ventos...

domingo, 12 de junho de 2011

Belezas de Beauvoir


"... as palavras precipitavam-se em meus lábios e em meu peito giravam mil sóis; num clarão ofuscante de alegria, disse a mim mesma: Ela é que me faltava. (...)Deixei-me enlevar por essa alegria que rebentava em mim, violenta e fresca como a água das cascatas, nua como o belo granito. (...)Não concebia nada mais belo no mundo do que ser eu mesma e gostar de Zaza"
Simone de Beauvoir em 'Memórias de uma moça bem-comportada'